LEISHMANIOSE CANINA: Prevenção

Leishmaniose canina é uma doença causada por um protozoário que é transmitido pela picada do mosquito flebótomo infectado. O mosquito flebótomo, também conhecido como mosquito palha ou birigui, costuma viver em locais com umidade elevada e com pouca luminosidade. Eles habitam tanto em áreas rurais como áreas urbanas. Nas áreas urbanas normalmente são encontrados em ambientes artificiais, principalmente abrigos/ casinhas de animais domésticos. A atividade do mosquito é maior no entardecer e durante a noite e, como estão adaptados para frequentar áreas próximas ao ambiente domiciliar ou peridomiciliar humano, picam os cães principalmente durante esse período.

leishmaniose

Prevenção

Devido à grande dificuldade de controle do mosquito vetor, as principais formas de prevenção são realizadas no próprio animal. Estas incluem a utilização de repelentes e a vacinação.

O principal e mais conhecido método repelente é a utilização da coleira Scalibor® que, segundo o fabricante, possui eficácia de proteção superior a 90% e tem efeito durante 4 meses. Outros métodos utilizados são sprays repelentes à base de citronela, cipermetrina, entre outros inseticidas e outras coleiras repelentes.

Um ponto polêmico na prevenção é a vacinação. Atualmente existem duas vacinas comerciais no mercado: A Leishmune®, do laboratório Fort Dodge, e a Leish Tec®, do laboratório Hertape Calier. Estudos realizados durante o desenvolvimento da vacina Leishmune®, e outros estudos posteriores, demonstraram proteção de 92 a 95% nos animais vacinados, ou seja, de cada 100 cães vacinados, 92 a 95 ficam protegidos contra a doença. Com relação à Leish Tec®, estudos mostraram eficácia de proteção de até 96,4%. Outro ponto importante com relação à vacinação é que ela ajuda a controlar a disseminação da doença, já que o cão é o principal reservatório da leishmaniose, e o ser humano só se infecta se for picado pelo mosquito que tenha contraído o parasita ao picar um animal doente.

Um outro ponto com relação à vacinação é se os cães vacinados se tornam soropositivos e, caso realizem o exame, este dará positivo. Segundo o fabricante da Leish Tec®, os cães vacinados não apresentarão resultados positivos nos testes de leishmaniose de rotina (ELISA e IFI). Da mesma forma, o fabricante da Leishmune® publicou um estudo que concluiu que os animais vacinados com a Leishmune® apresentam resultado negativo nos kits ELISA atualmente licenciados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA.